sábado, 25 de junho de 2016

Quando os projetos de intervenção resultam...

Quando os projetos de intervenção resultam... a mudança acontece!

Estamos felizes, realizados e voltamos para a escola a gritar "RESULTOU, RESULTOU, RESULTOU" !!
É bom quando somos ouvidos. Obrigada a quem viu os nossos folhetos, partilhou a mensagem e agiu por um bem maior.

Viagem ao passado lisboeta

Chegou a hora da nossa festa de final de ano! Esta manhã estavamos tão felizes e ansiosos por atuar para os pais!
Recriamos cenários de museu e de páteo lisboeta e ligamos passado ao presente numa atuação cheia de tradição. Os estudantes de um lado, os vendedores ambulantes do outro e turistas que fazem as maravilhas do público!



No final, com a canção da Ana Moura "Dia de Folga" pedimos uma folga aos adultos, alertando para aquilo que mais queríamos fazer caso pudessemos.


O Beto, a Bia, a Carla e a Maggie também nos conduziram em mais quatro atuações maravilhosas!
Desde dançar com colchões à dança contemporânea... a verdade é que fomos verdadeiros artistas.



Esperamos que tenham gostado porque nós adoramos preparar tudo isto...

quinta-feira, 2 de junho de 2016

A mudança acontece quando acreditamos nela!

Já há algum tempo que nasceu e cresceu dentro de nós a vontade de fazer este projeto.
Na sala fizemos diferentes projetos técnicos e de estudo. No entanto, ainda nenhum projeto nos tinha dado a oportunidade de mudar algo e de intervir diretamente na comunidade.

Durante este ano, foram várias as vezes que fomos ao parque José Gomes Ferreira para poder usufruir daquele excelente espaço exterior. No entanto, em praticamente todas as idas encontramos carros a dificultar a nossa passagem - os carros estão estacionados demasiado à frente no passeio e impossibilitam a passagem.



Com o projeto "Porque é que as pessoas cegas têm na mesma os olhos abertos?" e ao conversar com o Gonçalo, que é cego, percebemos que esta também é uma grande dificuldade para ele. Os carros mal estacionados em cima do passeio tornam o percurso muito mais complicado.

Estavam criadas as condições para embarcar neste novo projeto. Pensamos em quem mais poderia ser penalizado com esta conduta, que consideramos errada, e percebemos que as cadeiras de rodas e os carros de bebé também têm grande dificuldade em passar. Então, nada melhor que fazermos folhetos para distribuir pelos carros que estacionam nas imediações do colégio.
Pusemos mãos à obra e fizemos mais de 60 folhetos personalizados com as lindas ilustrações!

Hoje chegou o dia de ir distribuir os folhetos e estavamos radiantes e super entusiasmados por poder alertar os outros para algo tão significativo para muitas pessoas.


Cada carro recebeu o seu folheto e nós voltamos para a escola a desejar que a mensagem seja bem recebida e tenha efeito...




Amanhã iremos distribuir mais folhetos na espetativa de sermos ouvidos e de vermos esta situação modificada... Todos acreditamos que a mudança é possível, é preciso continuar a investir nela!
Muito obrigada a todos os que passaram a olhar para esta questão com maior sensibilidade...

Alegria, mimos e diversão... assim foi o dia da criança!

O dia da criança é sempre um dia muito feliz para todos, mas este ano saímos da escola de coração cheio e com vontade que o dia não acabasse!
Os sorrisos, os mimos e as atividades foram mais que muitas... Fizemos da sala discoteca, do recreio parque de diversões e do muro uma feira do livro!
Recebemos os irmãos, os pais e os amigos que já não víamos há algum tempo e acima de tudo divertimo-nos muito!

Deixemos as fotografias falarem por si!








Quando as CARTAS viram CARAS!

Durante este ano letivo, muitas foram as cartas trocadas com os nossos amigos da sala 3 do Colégio Pedro Arrupe (CPA). Mostramos atividades, partilhamos projetos e refletimos em conjunto sobre muitas das nossas conquistas!
Agora, com o aproximar do final do ano letivo, fazia cada vez mais sentido conhecer pessoalmente os nossos correspondentes!

Chegamos ao CPA e tivemos logo uma grande receção!

Depois de guiados, por um amigo correspondente, até à tão falada sala 3, pudemos observar e explorar as semelhanças e as diferenças relativamente à nossa sala.

O momento seguinte foi um autêntico desafio: tentar apresentar o amigo que tínhamos acabado de conhecer! Nome, idade e até interesses, em alguns casos, foram apresentados.

Seguiu-se o momento de conhecer o ginásio e partilhar momentos.
A nossa sala ensinou o jogo do elástico e comunicou um projeto.
A sala dos correspondentes desafiou-nos para uma dança!



Ao final da manhã ainda houve tempo para visitar e regar a horta e brincar no recreio.


Depois de um almoço piquenique partilhado, foram os abraços e os beijinhos que prevaleceram!
Viemos embora com saudades e vontade de estar mais tempo com estes novos amigos.



Mais um ano de correspondência por carta, um meio de comunicação que não queremos de todo perder! Obrigado aos amigos da sala 3 do CPA por nos terem recebido tão bem.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Acantonar é o melhor do mundo!

O nosso acantonamento finalmente chegou! Dois dias, uma noite e muitas aventuras!
Este ano embarcamos em conjunto com o 1.º ciclo, o que permitiu estreitar relações entre os dois grupos.

Nestes dois dias, as atividades foram mais que muitas...

Brincamos no parque...
Nadamos e mergulhamos na piscina... 
Plantamos alfaces...
Vimos e alimentamos os animais... 

Passeamos e fizemos trilhos na florestação em redor da quinta... 
Andamos de mota de água... 
Fizemos uma festa do pijama com muita dança à mistura...

Durante estes dias tiramos fotografias com vistas maravilhosas!
A Quinta de Castelo do Bode, a tia Lena e o tio Mário adoram receber-nos e nós adoramos viver cada minuto na quinta!
Mais um acantonamento que passou... mais experiências vividas, amizades fortalecidas, natureza explorada e muita animação.

Há projetos muito especiais...

Na nossa sala surgiu a pergunta "Porque é que as pessoas cegas têm na mesma os olhos abertos?".
De imediato fomos pesquisar mais sobre a cegueira, as suas causas, se o problema está no olho ou na pálpebra, como se escreve e se lê quando se é cego...
No entanto, havia algumas perguntas para as quais não encontramos uma resposta fácil e por isso tivemos a ideia de entrevistar uma pessoa cega. A mãe do André tem um colega que é cego, o Gonçalo, e que gentilmente se disponibilizou para responder às nossas perguntas escritas... Parte do projeto foi então construído através da análise da entrevista e das descobertas feitas.

Chegou a altura da comunicação e toda a gente sabia na ponta da língua as várias descobertas!
Com este projeto descobrimos ainda curiosidades diferentes: todos os medicamentos têm braille, os semáforos emitem um som quando se pode atravessar a passadeira, os telemóveis já têm a possibilidade de escrever e ler mensagens a partir da voz...

Chegou ao fim do projeto e continuavam a haver perguntas sem resposta:
- As pessoas cegas podem ir ao cinema?
- Podem conduzir?
- Como é que desenham?
- Como é que sabem onde está a carne no prato, para poderem cortar a comida?

Muitas destas perguntas só podiam ser respondidas se tivessemos a possibilidade de conhecer pessoalmente alguém cego. Foi aí que novamente o Gonçalo se mostrou disponível. A ansiedade era mais que muita, a curiosidade também, mas no final a mensagem essencial passou: ser cego não impossibilita de quase nada. Na verdade, há estratégias que permitem fazer a vida praticamente normal. 
A conversa com o Gonçalo terminou com uma pequena explicação e leitura em braille do livro da Marta.


Este foi um projeto especial: aprendemos muito, encontramos realidades diferentes e percebemos como podemos também ajudar.
Obrigada à família do André e ao Gonçalo que com grande disponibilidade nos abriram mais uma porta para a vida!